Desafio de ECG

Desafio de ECG 15 – Qual diagnóstico eletrocardiográfico?

Fonte: arquivo pessoal do autor

Masculino, 17 anos, queixa-se de palpitações. No momento do ECG, assintomático.

———————————————————————————————————————————–

Desafio de ECG – Caso 14 – Comentário – Veja o ECG clicando aqui

Os digitais são medicações utilizadas no manejo de sintomas de muitos pacientes com Insuficiência Cardíaca. No Brasil, seu representante via oral é a digoxina ( 0,25 mg ) e o endovenoso o cedilanide (deslanosídeo).
O caso em questão ilustra sintomas de possível intoxicação digitálica. O que chama nossa atenção, sem dúvidas, além da bradicardia ( FC em torno de 45 ) é o infradesnivelamento do segmento ST ( observe V4-V6 e D1 e aVL) com conformação de ‘colher de pedreiro’ ou ‘bigode de Salvador Dali’, como alguns autores gostam de denominar esse aspecto. 
Devemos lembrar que a presença dessa alteração na repolarização não obrigatoriamente significa que o paciente está intoxicado pela droga. Ela é uma das alterações que apenas indicam que o doente deve estar fazendo uso dessa classe de medicamento e não se deve pensar em ‘retirar’ a medicação simplesmente devido ao achado eletrocardiográfico.
Obviamente, no contexto apresentado – paciente com náuseas e vômitos – uma das hipóteses a serem aventadas é intoxicação pelo fármaco. 
A intoxicação por digital pode a levar aos mais variados graus de bloqueio AV, quadros de ectopias ventriculares ou taquicardias.
Sempre lembre de pesquisar o potássio sérico desses doentes. A hipocalemia concomitante pode levar a quadros de arritmias ventriculares graves, como episódio de Fibrilação Ventricular.

Fonte: traduzido e adaptado de  ALFRED PICK, M.D. Digitalis and the Electrocardiogram. Circulation, Volume XV, April 1957

Sobre o Autor

Daniel Valente

Graduado em Medicina pela Universidade Federal do Ceará. Médico com residência médica em Clínica Médica pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e em Cardiologia Clínica pelo Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (InCor-HC-FMUSP). Instrutor ativo do curso de ACLS pela Sociedade Brasileira de Cardiologia (sede SP) e pesquisador colaborador junto ao grupo MASS.

Deixe um comentário